Please update your Flash Player to view content.
A Beleza na Ortomolecular



Todos os trabalhos científicos referem-se aos oligoelementos na forma iônica, que é o estado em que se encontram no organismo e fazem parte do tratamento ortomolecular, que utiliza os oligoelementos, minerais, vitaminas e matérias-primas que, sem a força dos íons, seriam inertes e com sua potencialidade reduzida em até 70%. Mas os resultados não são só internos. Além de tratar a pele, os produtos iônicos também agem sobre o sistema nervoso e o sistema imunológico do corpo. Eles servem para tratar, em nível molecular, as chamadas doenças da psique, como o estresse, por exemplo. É por isso que cosméticos carregados de oligoespecíficos levam a mensagem de regeneração a cada órgão gerador do problema, ajudando o corpo a resolvê-lo.

Surge o método biovibracional

Estudei por anos a aplicação dos oligoelementos na terapia ortomolecular até chegar ao método biovibracional. A ideia utilizada é a de que, ao vibrarem, esses ligoelementos penetram o organismo e se dirijem ao local onde devem atuar. Apesar de ensinar esse método com imenso sucesso, a falta de produtos disponíveis para essa terapia, especificamente destinada à beleza, dificultava a existência de um curso que abordasse o uso dos oligoelementos na estética, assunto muito solicitado pelos alunos. Assim, aliando o desenvolvimento do método biovibracional com a confecção de produtos destinados ao cuidado estético baseados nesse método, uma diversidade de tratamentos foi criada.

Oligoelementos, bioidênticos e o método biovibracional

Para acompanhar o desenvolvimento do uso dos oligoelementos e incorporar os minerais iônicos que já possuímos – adquiridos por meio da alimentação e desdobrados em energia –, resolvi renomeá-los, passando a chamá-los de bioidênticos. Há medicos que questionam até mesmo a adoção da palavra “bioidêntico”. Mas, como explica o endocrinologista Amélio Godoy Matos, da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabolia, “não há nada de científico nesse termo. É uma mera questão mercadológica”. Tais minerais bioidênticos encontram-se no organismo em forma de vestígios tão ínfimos que não se pode detectar com exames simples. Esses minerais foram por muito tempo ignorados pelo mundo científico, mas recentemente se descobriu que nada mais são que a nossa força vital, da qual dependemos para realizar todas as trocas metabólicas. Os bioidênticos presentes na superfície da pele e advindos de produtos cosméticos, ao sofrerem uma vibração, formam uma onda na mesma frequência dos bioidênticos que se encontram nas células interiores de nosso corpo. Essa vibração torna os bioidênticos imediatamente disponíveis aos estímulos do colágeno e dos fibroblastos, rejuvenescendo o corpo. A grande vantagem desse método reside no fato de que, sem o emprego de meios terapêuticos, consegue-se obter resultados surpreendentes e duradouros, nunca antes imaginados para um simples cosmético.

Os bioidênticos e a pele

Segundo Holbrook, a pele é um conjunto de tecidos com organização estratificada que reveste o corpo e apresenta componentes estruturais e metabólicos que trabalham em sintonia com o meio ambiente para manter o equilíbrio orgânico. Mas a pele é também um órgão vivo de percepção, comunicação e sedução que se interpõe entre nós e o mundo. Ela espelha nosso equilíbrio físico e psíquico, e, portanto, o seu estado influencia nossa relação com os outros e com nós mesmos. Os minerais bioidênticos encontrados na pele em forma de vestígios de diversos metais, sendo o silício o de maior concentração, são responsáveis por intervir nas trocas intra e extracelulares.

Origem dos cosméticos biovibracionais

Os bioidênticos preciosos – como ouro, prata e cobre –, incorporados sob a forma iônica, deram origem aos cosméticos biovibracionais, de elevado poder de regeneração, vibrando na pele, cabelo e corpo. Os bioidênticos vibracionais representam uma nova filosofia no tratamento da saúde e da beleza. Se considerarmos a matéria uma manifestação energética, os seres humanos são um aglomerado de átomos com um campo de energia próprio. As células, por sua vez, com seu sistema físico, se comunicam através de uma rede vibratória. Essa rede transmite vibrações que ressoam na força vital de cada um. Os bioidênticos vibracionais são resultado de anos de pesquisa e associam o conhecimento de elementos físicos. Sua aplicação em cosméticos tem uma base futurística. O resultado é um produto capaz de interagir com mecanismos fisiológicos. Dessa forma, o método biovibracional passou a ser incorporado aos tratamentos de saúde e beleza.

 

 
 
 
Loja Virtual / Clique no livro desejado para saber maiores informações e preço: